3 (meses) em 1 (post)

Tem tanto tempo desde a última vez que escrevi aqui que tenho até vergonha de olhar a data pra precisar esse tempo (ok, 01 de novembro… shame…) E pra não perder tempo procurando as desculpas pro sumiço, a retrospectiva desses quase 3 meses de ausência virtual e quase 4 meses de vida parisiense!

 Pois eu me encantei com o outono em Paris.

 

 

Recebi visita ilustre de 1 mês de Paris, visita ilustre de 2 meses de Paris, visita ilustre dupla de 3 meses de Paris.  

 

 

 Passei a cuidar de 2 coisinhas loiras, lindas e endiabradas, com quem aprendo mais do que falar francês corretamente e com quem me derreto cada vez que aquele cisquinho loiro vem correndo em minha direção de braços pra cima, cerca de 4 dentes na boca e uma covinha em cada bochecha ou que o outro cisco já não tão cisquinho assim vem correndo quando me ve vestindo o casaco e pula no meu pescoço dizendo “au revoir ma Luizá chérie”  (e o cisquinho faz coro: ”ôôôvoááá”).

 

 

Descobri que Stuttgart é logo ali, Arnaldo!

 

 

Fui ao show do Two Door Cinema Club sozinha e dancei como se estivesse na Velvet nossa de cada sabadão! 

Eu virei colega do Mickey, e me dei conta de que nem sempre when you wish upon a star a coisa funciona como num sonho!

 

 E apesar da controvérsia do mau-humor na Disney (Disney = sorriso, gente! Não??), conheci uma coleguinha de senzala que chegou no navio negreiro do Rííídjanieeeero e que em breve vai virar coleguinha de casa!  

Eu me diverti muito na neve enquanto galerê français xingava muito, mas MUITO toda a condição climática e o Sarkozy. Porque têm que xingar o Sarkozy. (Mas eu também levei tombos homéricos na neve. E xinguei também…)  

Dei um pulinho alí em Grenoble/Giéres e relembrei que ar puro existe gente! E comi foie gras com cara de quem tava achando delícia… Em respeito a todas as outras milhares de coisas que comi nesses 2 dias fora de casa que estavam realmente uma delícia e com aquele toque de casa de vó! (E apesar de odiar coisas assimétricas não resisti em tirar uma foto nessa fachada!)  

Passei mais um Natal fora de casa… O mais difícil de todos eles até agora… E também o mais globalizado! Pra quê esse clichê de peru de Natal? Bom mesmo é ceia com farofa feita pela brasileira, bacalhau pelo português, salada de maçã, uma receita da  mexicana, salada chinesa e frango apimentado ao molho shoyo peparado pelas chinesas!!! E vi as luzes de Natal da Champs Elysee e ó, posso falar? Prefiro a iluminação de Natal da Praça da Liberdade! E assisti a missa gregoriana de Natal na Notre Dame e quis chorar de emoção cada vez que aquele povo abria a boca pra cantar!  

 

Fiquei muito emocionalmente abalada com a quantidade de pinheirinho de Natal que encontrava jogados em cada esquina a partir do dia 26 de dezembro… Gente, bora exportar Pinheirinhos Mancini pra essa terra! Que dozinha das arvorezinhas que até ontem estavam todas enfeitadas e iluminadas no meio da sala da casa dessa gente e agora estão ali no meio da calçada, quando muito ensacadas pra não passar tanta vergonha… Juro que fiquei abalada… Greenpeace tá sabendo dessa prática??? 

 

Na falta de uma grama mais verdinha do vizinho pra cobiçar, constatei que o telhado do vizinho é mais bonito e passei um domingão-delícia na laje!!! 

 

O curso tá indo bem também, para os adultos responsáveis que lêem esse texto e devem estar se perguntando “pra que ela foi pra lá mesmo”?! Mas não vale registro fotográfico desse capítulo, ok?

 Bem, espero ter justificado a ausência de coisas da Luluzinha por tanto tempo no post mais longo da história recente dos blogs… e também o mais ilustrado, pra compensar!!! E até que fica mais legal condensar tudo assim, porque parece que minha vida tá mesmo uma montanha russa de emoções por aqui!  =) Até o próximo!

11 Comentários

Arquivado em Uncategorized

Dinamismo

Você se dá conta de que começou a entender a dinâmica da coisa toda quando:

1- discute com uma doninha mal-criada no metrô;
2- discute com o segurança vestido à paisana na farmácia.

Vamos aos fatos:

1- semana passada estava eu lá, treinando surfe ferroviário dentro do vagão pra não ter que segurar no postezinho de apoio (Transtorno Obsessivo Compulsivo detected) quando algumas pessoas desceram numa estação e o “sardinismo” (fenômeno social caracterizado pelo entupimento humano no metrô) foi aliviado, de modo que eu encostei ali no corredorzinho entre as poltronas. Num primeiro momento reparei que tinha entrado uma tiazinha estilosa no meu vagão, toda trabalhada no combo curvex/rímel. Mas tem gente que tem cara de louca, e você sabe que é louca sem nem precisar conversar com ela. Tem cara de louca? Grandes chances de ser louca. Era o caso da doninha… Continuei me equilibrando no encosto da poltrona, lendo meu jornalzinho, quando de repente quase fui levada pela pessoa de cílios-borboleta. Tinha vagado uma cadeira ao lado da que eu estava apoiada, mas como estava lendo, nem vi a movimentação. Só sei que a senhora deve ter pensado que eu ia rapidamente me sentar lá (vai ver ela também me achou com cara de louca…) e saiu atropelando geral que tava na frente pra não perder o lugar! E eu tão inocente, nem vi que tinha assento disponível, na hora que fui levada comecei a responder em francês mesmo… Quando ela terminou de resmungar e se sentou é que eu fui me dar conta de que tinha falado aquilo tudo (pas grave, só falei que ela podia esperar que eu ia sair da frente, não precisava ter me atropelado…) EM FRANCÊS! Desci uma estação depois disso e ao mesmo tempo em que fiquei feliz por ter usado um francês certo na hora certa, fiquei triste por me dar conta de que talvez esteja ficando parecida com eles!!!

2- Depois de xingar a louquinha no metrô, fui ao paraíso das pessoas que usam cremes antiidade desde os 22 anos!!! (Fica a dica para as próximas visitas a Paris, meninas) Em cada esquina aqui tem uma farmácia com toda a linha de produtos La Roche, Avene, Vichy e outras marcas que custam mais de uma centena de reais na Araújo, e que aqui têm precinhos camaradas, ainda que em euros! De todas elas, a minha eleita é a Citypharma, que fica no 26 Rue du Four, esquina com a Rue Bonaparte, metrô St Germain des-Prés. Ela tem os mesmos produtos que todas as outras têm, porém o preço é melhor e sempre rola uma venda casada com desconto. Enfim, precisava de um hidratante e mesmo tendo um supermercado a um quarteirão da minha casa, resolvi pegar o metrô, bater-boca com senhorinhas, levar bolsada das turistas frenéticas na farmácia porque né… vai que um novo anti-rugas acaba de entrar em promoção??? Chegando lá, achei um creme que parecia ser bom e abri pra sentir o cheiro e gastar aquela gotinha do teste da textura… Sem querer, claro, deixei um pote cair AO LADO do pé de um cara que estava plantado lá igual árvore, provavelmente esperando a esposa acabar de fazer compras. Ele deu um gemido, olhou com cara ruim e eu nem entedi, porque o negócio caiu longe do pé dele. E mesmo se tivesse caído no meio do pé, vai ficar choramingando por causa de um creminho de nada? Enfim, pedi desculpas e parti para o teste do produto… Gotinha na mão, esfreguei, absorção boa, perfume quase inexistente, aprovado! Devolvi pra prateleira pra continuar testando outros quando o pseudo marido em espera me pergunta: “você TESTOU o produto???” E eu respondi que sim. Ele disse que eu não podia testar o produto. Fiquei pensando “por que esse marido impaciente tá falando comigo o que devo ou não fazer numa loja de cosméticos?”. Me dei conta de que não era um marido, e sim um segurança à paisana! Respondi que tinha testado porque era alérgica às essências dos cremes, logo, precisava checar se o produto não tinha cheiro! E ele só falando que eu não podia ter testado. Acabou que falei que tinha a-do-ra-do o creme, que ele não ia me dar alergia e que ia levar! Aí ele finalmente parou de falar na minha cabeça e eu fui pro caixa, pronta pra desovar o creme na prateleira mais próxima. O segurança me seguiu. Tive que comprar o creme. Levando 2 tinha desconto. Devo a maciez da minha cútis nesse momento ao segurança à paisana, com o qual também bati boca sobre alergias em francês!

Viva la France!

Abaixo algumas fotos só pra não passar o post em branco!

Daqui da janela de tardinha...

... e daqui da janela de noitinha.

7 Comentários

Arquivado em Uncategorized

Interconexão interrompida

Esperei durante 3 minutos pelo amor 57 lá na Gare du Nord mas ele não chegou…

Cadê?

6 Comentários

Arquivado em Uncategorized

Metalinguagem fotográfica

No último domingo de sol de Paris, Janainá (o acento é no A mesmo, e não no I, pra reforçar o sotaque!!) e eu resolvemos fazer pic-nic em Marais, o Soho de Paris!!! Depois da comilança passeamos pelo bairro e trombamos com uma galeria pequena mas bem legal na Place de Vosges, a Galerie Blumann. Algumas das fotos expostas eram do fotógrafo Pierre Terrasson, que tem vários trabalhos com roqueiros consagrados nos seu portfolio, como Rolling Stones, David Bowie, Aerosmith, por exemplo.

 Não era permitido tirar fotos lá dentro, mas tentei fazer uma da vitrine, onde tinha um retrato enorme do Serge Gainsbourg! Então é uma foto da foto! Na verdade é uma foto da foto da foto, porque foi a Janainá que registrou a tentativa de registro!!! Oi?

Oi Serge!

Aqui no site oficial do Pierre Terrasson tem os trabalhos dele! Vale a visita!

10 Comentários

Arquivado em Uncategorized

Something good WILL work!

Bora ver cada sardinha do Alex Trimble bem de pertinho (tipo primeira fila de tão pertinho)? Eu vou sozinha. Porque ainda não achei minhas companhias indies nessa terra… Mas será bom, pra representar gritinhos, assovios e jogamaoproalto sem me preocupar se tem alguém achando estranho!!! (momentinho de piada interna, désole!)

Mas agora falando sério, minha primeira aquisição em se tratando de eventos musicais em Paris foi um ingresso pro show dos irlandeses do Two Door Cinema Clube no L’Olympia, dia 25 de novembro! Comprei com essa antecedência toda porque senão esgota, como aconteceu com LCD Soundsystem e Gorillaz, o que me deixou BASTANTE irritada… Se em BH galerê deixa pra comprar ingresso na última hora preocupando produtores e cancelando shows, vide caso Air, por aqui tem que ser rápido no gatilho (e rico!)…

Bem, aquecendo os gogós e agraciando os olhos, um clipezinho beeem legal (alooooooow Alto Falante!) da banda!

5 Comentários

Arquivado em Uncategorized

Tout va bien!!!

Segunda-feira à noite fui ao cine pela primeira vez aqui em Paris! Porém, assisti um filme americano mesmo, chamado “The Kids Are All Right”! Ir ao cinema quando se está morando em outro lugar é uma experiência diferente de ir na sua própria cidade… principalmente quando você acabou de se mudar e ainda não assimilou 100% a idéia de estar morando fora… Aconteceu comigo quando morei nos EUA e aconteceu de novo essa semana.

São 2 horas de total desligamento do mundo lá fora, e quando saí do cinema levei um susto por estar no meio de Paris e não no meio da Savassi!!!

Bem, gostei do filme, que tem Julianne Moore, Anette Benning e Mark Hottie Ruffalo no elenco e ri bastante, dei uma choradinha de leve no final e curti muito a trilha sonora! Portanto achei que valia a dica aqui no Coisas!

2 Comentários

Arquivado em filme

Grave greve…

A França está em greve. Futuros aposentados travam guerra contra a reforma da previdência proposta por Tio Sarkozy. Além da greve que diminui o número de metrôs  já durar mais de um mês, acontecem também algumas manifestações por todo o país, essas, com data e hora para começar e acabar. Greve de primeiro mundo é organizada!

Hoje teve manifestação e por isso nem passei perto da faculdade. Além de saber que viraria sardinha mais uma vez a caminho de Saint-Denis, estudo num lugar altamente esquerdista, sempre um  dos primeiros a aderir às manifestações. Foi assim também na terça-feira passada mas, ao contrário de hoje, semana passada fazia um dia lindo e eu estava na disposição de passear! Então resolvi dar um pulinho ali no Jardin du Luxembourg, comprar um sanduíche e fazer meu almoço por lá mesmo.

Quando desci do metrô, me vi no meio da manifestação! Pelo menos eu achava que estava no meio…

Movimentação pró-greve na Rue de Rennes

Pois bem, burguesinha alienada que sou, como muitos vão bravatear por aí, peguei minha baguete e segui para o jardim! Comi, ouvi música, li revista, li livro (é tão burguesinha e tão alienada que comprou “Comer, Rezar e Amar” em francês) e resolvi continuar o passeio…

Dando continuidade à saga pelo melhor macaron...

...no Luxembourg Tênis Clube!

Saí do jardim e desci o Boulevard Saint Michel aproveitando que as ruas tavam fechadas por causa da manifestação. Quando cheguei no cruzamento com a Saint Germain, aí sim estava no olho do furacão! Os manifestantes se dividiam em blocos, cada um com seu “grito de guerra”, carro de som, tambores… E tinha gente de todas as faixas etárias! Acho que foi a primeira vez que vi uma manifestação popular assim “ao vivo”! E os adolescentes? Vários, de idades em que, no Brasil, estariam preocupados em ir pro Mc Donalds da Savassi na sexta-feira (acho que o point mudou pro Pátio Savassi agora…). Achei bem legal fazer parte, mesmo que só como espectadora, de algo tão importante pras pessoas do país onde escolhi morar.

Amanhã a vida já deve voltar (mais ou menos) ao normal, ou seja, efeito sardinha no metrô, alunos de camiseta do Che na porta da faculdade panfletando e ausência de sabonetes nos banheiros!!! Sobre a faculdade escrevo depois!!! À plus!

9 Comentários

Arquivado em Uncategorized