Arquivo do mês: novembro 2010

Dinamismo

Você se dá conta de que começou a entender a dinâmica da coisa toda quando:

1- discute com uma doninha mal-criada no metrô;
2- discute com o segurança vestido à paisana na farmácia.

Vamos aos fatos:

1- semana passada estava eu lá, treinando surfe ferroviário dentro do vagão pra não ter que segurar no postezinho de apoio (Transtorno Obsessivo Compulsivo detected) quando algumas pessoas desceram numa estação e o “sardinismo” (fenômeno social caracterizado pelo entupimento humano no metrô) foi aliviado, de modo que eu encostei ali no corredorzinho entre as poltronas. Num primeiro momento reparei que tinha entrado uma tiazinha estilosa no meu vagão, toda trabalhada no combo curvex/rímel. Mas tem gente que tem cara de louca, e você sabe que é louca sem nem precisar conversar com ela. Tem cara de louca? Grandes chances de ser louca. Era o caso da doninha… Continuei me equilibrando no encosto da poltrona, lendo meu jornalzinho, quando de repente quase fui levada pela pessoa de cílios-borboleta. Tinha vagado uma cadeira ao lado da que eu estava apoiada, mas como estava lendo, nem vi a movimentação. Só sei que a senhora deve ter pensado que eu ia rapidamente me sentar lá (vai ver ela também me achou com cara de louca…) e saiu atropelando geral que tava na frente pra não perder o lugar! E eu tão inocente, nem vi que tinha assento disponível, na hora que fui levada comecei a responder em francês mesmo… Quando ela terminou de resmungar e se sentou é que eu fui me dar conta de que tinha falado aquilo tudo (pas grave, só falei que ela podia esperar que eu ia sair da frente, não precisava ter me atropelado…) EM FRANCÊS! Desci uma estação depois disso e ao mesmo tempo em que fiquei feliz por ter usado um francês certo na hora certa, fiquei triste por me dar conta de que talvez esteja ficando parecida com eles!!!

2- Depois de xingar a louquinha no metrô, fui ao paraíso das pessoas que usam cremes antiidade desde os 22 anos!!! (Fica a dica para as próximas visitas a Paris, meninas) Em cada esquina aqui tem uma farmácia com toda a linha de produtos La Roche, Avene, Vichy e outras marcas que custam mais de uma centena de reais na Araújo, e que aqui têm precinhos camaradas, ainda que em euros! De todas elas, a minha eleita é a Citypharma, que fica no 26 Rue du Four, esquina com a Rue Bonaparte, metrô St Germain des-Prés. Ela tem os mesmos produtos que todas as outras têm, porém o preço é melhor e sempre rola uma venda casada com desconto. Enfim, precisava de um hidratante e mesmo tendo um supermercado a um quarteirão da minha casa, resolvi pegar o metrô, bater-boca com senhorinhas, levar bolsada das turistas frenéticas na farmácia porque né… vai que um novo anti-rugas acaba de entrar em promoção??? Chegando lá, achei um creme que parecia ser bom e abri pra sentir o cheiro e gastar aquela gotinha do teste da textura… Sem querer, claro, deixei um pote cair AO LADO do pé de um cara que estava plantado lá igual árvore, provavelmente esperando a esposa acabar de fazer compras. Ele deu um gemido, olhou com cara ruim e eu nem entedi, porque o negócio caiu longe do pé dele. E mesmo se tivesse caído no meio do pé, vai ficar choramingando por causa de um creminho de nada? Enfim, pedi desculpas e parti para o teste do produto… Gotinha na mão, esfreguei, absorção boa, perfume quase inexistente, aprovado! Devolvi pra prateleira pra continuar testando outros quando o pseudo marido em espera me pergunta: “você TESTOU o produto???” E eu respondi que sim. Ele disse que eu não podia testar o produto. Fiquei pensando “por que esse marido impaciente tá falando comigo o que devo ou não fazer numa loja de cosméticos?”. Me dei conta de que não era um marido, e sim um segurança à paisana! Respondi que tinha testado porque era alérgica às essências dos cremes, logo, precisava checar se o produto não tinha cheiro! E ele só falando que eu não podia ter testado. Acabou que falei que tinha a-do-ra-do o creme, que ele não ia me dar alergia e que ia levar! Aí ele finalmente parou de falar na minha cabeça e eu fui pro caixa, pronta pra desovar o creme na prateleira mais próxima. O segurança me seguiu. Tive que comprar o creme. Levando 2 tinha desconto. Devo a maciez da minha cútis nesse momento ao segurança à paisana, com o qual também bati boca sobre alergias em francês!

Viva la France!

Abaixo algumas fotos só pra não passar o post em branco!

Daqui da janela de tardinha...

... e daqui da janela de noitinha.

Anúncios

7 Comentários

Arquivado em Uncategorized